Windows 11
Microsoft EDGE
BANNER A FORÇA DA VERDADE
Diário do País
GOVERNO

Bolsonaro vetará passaporte sanitário se medida for aprovada no Congresso

Proposta foi aprovada no Senado Federal.

15/06/2021 10h24Atualizado há 1 mês
Por: Diário do País
Fonte: Diário do País, com Conexão Política

O assessor internacional da presidência da República, Filipe G. Martins, informou que Jair Bolsonaro deve vetar integralmente a proposta de passaporte sanitário no Brasil caso o projeto seja aprovado no Congresso Nacional.

A informação foi dada com exclusividade pelo programa ‘Os Pingos Nos Is’, da Jovem Pan.

Na última quinta-feira (10), o Senado aprovou, por 72 votos a 0, projeto que cria um certificado sanitário para autorizar que pessoas vacinadas ou testadas possam entrar em espaços públicos e privados.

O objetivo, de acordo com o texto, é disponibilizar à União, aos Estados e aos Municípios “informações adequadas para a administração e o balanceamento das medidas profiláticas restritivas de locomoção, ou de acesso de pessoas a serviços ou locais, públicos ou privados”.

A proposta já seguiu para análise da Câmara dos Deputados.

 

Entenda o projeto de lei

Com autoria do senador Carlos Portinho (PL-RS), o Certificado de Imunização e Segurança Sanitária (CSS) visa garantir, em território nacional, autorização de entrada em locais e eventos públicos, hotéis, cruzeiros, parques e reservas naturais, entre outras possibilidades.

De acordo com a Agência Senado, a proposta defende a implementação por meio de plataforma digital e poderá ter sua validade fixada com base nos seguintes certificados: Nacional de Vacinação (CNV), Internacional de Vacinação (CIV), Nacional de Testagem (CNT) e Internacional de Testagem (CIT).

O texto prevê que o titular do certificado não poderá — submetido a normas sanitárias — ser vedado de acessar, circular ou utilizar qualquer espaço público ou privado, assim como não poderá sofrer sanções.

Outra ponto previsto é a divulgação, na entrada do local, de forma ostensiva, visível e escrita, da seguinte informação: “O ingresso neste local está condicionado à apresentação do Certificado de Imunização e Segurança Sanitária (CSS)”.

O estabelecimento, público ou privado, deve se responsabilizar de exercer o comando de entrada, por meio de uma  exposição do CSS válido por cada pessoa — na versão eletrônica ou impressa — e quem não manifestar nenhuma comprovação será barrado de entrar.

Ainda segundo o texto, empresas e estabelecimentos comerciais que se submeterem aos devidos requisitos — seguindo todas as medidas sanitárias profiláticas — não poderão sofrer sanções, restrições ou serem impossibilitados de funcionar.

O relator da proposta, senador Veneziano Vital do Rêgo, do MDB da Paraíba, ressalta ainda que, com o certificado, as autoridades terão as informações precisas para administrar as medidas restritivas e, de forma estratégica, conter o avanço da pandemia. Sendo assim, o certificado seria exigido em épocas de pandemia e surtos.

Na fase de transição, de acordo com o parlamentar, não seria solicitado o certificado para ter acesso —  o ir e vir — ou estar presente em qualquer ambiente. A proposta atuaria especificamente em momentos de anormalidade.

Por fim, destaca que, tempos considerados normais, ninguém será obrigado a apresentar qualquer comprovação para ter acesso a locais públicos e privados.

 

Redes sociais do Diário do País:

@portaldiariodopais

@brunodelimabr

 

*** 

Em tempos de coronavírus e desinformação, o DIÁRIO DO PAÍS continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Compartilhe nosso conteúdo.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários