Windows 11
DIARIO DO PAIS 1 ANO
Diário do País
BANCO ESTATAL

Lucro líquido da Caixa soma recorde de R$ 6,26 bilhões no 2º trimestre, alta de 144,7% em um ano

O lucro do segundo trimestre é o maior resultado do período em toda a série histórica do banco.

20/08/2021 00h06Atualizado há 3 semanas
Por: Diário do País
Fonte: Estadão Conteúdo

A carteira de crédito da Caixa encerrou junho com saldo de R$ 816,251 bilhões, o que representa expansão de 2,1% na comparação com o fim de março. Em um ano, os empréstimos tiveram incremento de 13,4%. A pessoa física foi o destaque, com crescimento de 4,0% no trimestre, enquanto a pessoa jurídica avançou 0,5%. No ano, porém, as empresas deram o tom, com avanço de 18,5% enquanto o crédito ao varejo teve alta de 18,5.

Como um banco da habitação, a Caixa viu sua carteira de financiamentos imobiliários bater os R$ 529,476 bilhões no segundo trimestre deste ano, expansão de 2,1% ante o primeiro. Em relação há um ano, o saldo teve alta de 9,2%.

Ao fim de junho, a Caixa somava R$ 1,464 trilhão em ativos totais, montante 2,4% superior ao visto em um ano. No trimestre, cresceu 1,9%. Seu patrimônio líquido era de R$ 107,514 bilhões, alta de 24,4% e 11,1%, respectivamente.

O retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROE, na sigla em inglês) ficou em 19,01% no segundo trimestre contra 16,33% no primeiro. Há um ano, estava em 21,48%.

A margem financeira da Caixa Econômica Federal totalizou R$ 11,111 bilhões no segundo trimestre, aumento de 19,7% em relação à cifra de um ano antes. No trimestre, cresceu 0,8%.

O desempenho do período, conforme a Caixa, foi motivado por melhores ganhos com empréstimos. De abril a junho, as receitas do operações de crédito do banco público tiveram alta de 8,2% ante um ano. Por outro lado, a despesa recursos de clientes diminuiu 10,0%, na mesma base de comparação, o que também contribuiu para a melhoria da margem.

Gestões anteriores

Há a expectativa de que a Caixa apresente em paralelo à divulgação de resultados as más consequências da ação de gestões anteriores no banco público, conforme antecipou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. O presidente da instituição, Pedro Guimarães, disse que, passada a reestruturação do banco público, o objetivo é mostrar os “custos da corrupção” para evitar que novos casos se repitam no futuro.

 

Redes sociais do Diário do País:

@portaldiariodopais

@brunodelimabr

 

*** 

Em tempos de coronavírus e desinformação, o DIÁRIO DO PAÍS continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Compartilhe nosso conteúdo.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.