Diário do País
DIARIO DO PAIS 1 ANO
Windows 11
REPUGNANTE

Professor nega imoralidade em atração sexual por crianças

Para Allyn Walker, desde que não seja posto em prática, o desejo sexual por crianças não é necessariamente errado.

17/11/2021 18h28Atualizado há 2 semanas
Por: Diário do País
Fonte: Diário do País, com Pierre Borges
Allyn Walker é um professor universitário de Sociologia e Justiça Criminal na Old Dominion University, na Virgínia, EUA. Foto: divulgação
Allyn Walker é um professor universitário de Sociologia e Justiça Criminal na Old Dominion University, na Virgínia, EUA. Foto: divulgação

Um professor, que se define como alguém de gênero não binário, afirmou que o desejo sexual por crianças não é, necessariamente, imoral. A declaração foi feita durante uma discussão sobre “pessoas atraídas por menores”.

Allyn Walker é um professor universitário de Sociologia e Justiça Criminal na Old Dominion University, na Virgínia, EUA. Em um evento promovido pela organização de proteção às crianças Prostasia Foundation, em novembro, ele afirmou que o abuso sexual infantil “nunca, nunca é ok”, mas defendeu que, desde que não seja posta em prática, a atração sexual por crianças não é necessariamente errada.

– Da minha perspectiva, não há moralidade ou imoralidade ligada à atração por alguém, porque ninguém pode controlar por quem se sente atraído. Em outras palavras, não é por quem somos atraídos que está ok ou não. É o nosso comportamento em responder a essa atração que faz ser ok ou não – afirmou.

Autor do livro A Long Dark Shadow: Minor-Attracted People and Their Pursuit of Dignity [Uma longa sombra escura: Pessoas com atração por menores e sua busca por dignidade, em tradução livre], Allyn defende que esta expressão seja adotada no lugar de “pedófilo”. Ele reconheceu que a expressão pode sugerir que está tudo bem em sentir-se atraído por crianças, mas argumentou que não é possível rotular alguém totalmente por seus desejos sexuais, uma vez que estes não indicariam nada sobre sua moralidade.

– Muitas pessoas, quando ouvem o termo “pedófilo”, presumem automaticamente que significa um agressor sexual, o que não é verdade. E isso leva a muitos equívocos sobre a atração por menores – declarou.

Allyn explicou ainda que há pessoas com atração por menores (MAPs, na sigla em inglês) não ofensivos, que não abusam sexualmente de crianças, e argumentou: “Portanto, seus comportamentos são morais, mas eles ainda estão sujeitos à mesma ideia de que são pessoas más e muitas vezes internalizam isso para si próprios”.

As declarações de Allyn causaram uma onda de críticas nas redes sociais, onde internautas acusaram o professor de ser simpatizante de pedófilos e defenderam que a Old Dominion University o demita. No entanto, até o momento desta publicação, ele foi colocado apenas em licença administrativa.

Em nota divulgada pela universidade, o presidente da instituição, Brian O. Hemphill, afirmou que quer declarar, “nos termos mais fortes possíveis, que o abuso sexual infantil é moralmente errado e não possui lugar em nossa sociedade”.

Allyn Walker também se pronunciou em conjunto com a universidade da seguinte forma: “Quero deixar claro: o abuso sexual infantil é um crime imperdoável. Como professor assistente de Sociologia e Justiça Criminal, o objetivo da minha pesquisa é prevenir o crime”.

 

Conheça o Jornal BRASIL DA HORA: www.brasildahora.com 

Redes sociais do Diário do País:

@portaldiariodopais

@brunodelimabr

 

*** 

Em tempos de coronavírus e desinformação, o DIÁRIO DO PAÍS continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Compartilhe nosso conteúdo.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.