Microsoft EDGE
Diário do País
ESTADOS UNIDOS

Suprema Corte agenda moção para possível audiência do processo de Trump

O presidente dos EUA, Donald Trump, em sua capacidade pessoal de candidato à reeleição, interpôs em 30 de dezembro um recurso na Suprema Corte buscando garantir a integridade das eleições no estado de Wisconsin.

05/01/2021 10h00
Por: Diário do País
Fonte: Diário do País, com Thaís Garcia
454

A Suprema Corte programou uma moção para uma possível audiência sobre o processo do presidente Donald Trump, que visa anular os resultados eleitorais de Wisconsin. O processo contesta mais de 50.000 votos ilegais, segundo a equipe jurídica de Trump.

O presidente dos EUA, Donald Trump, em sua capacidade pessoal de candidato à reeleição, interpôs em 30 de dezembro um recurso na Suprema Corte buscando garantir a integridade das eleições no estado de Wisconsin.

O processo pede que a Suprema Corte declare a eleição de Wisconsin inconstitucional e nula como resultado das múltiplas violações da lei, e ordene que o parlamento do estado de Wisconsin indique delegados eleitorais de acordo com o Artigo II, Seção 1.2 da Constituição dos Estados Unidos.

O Tribunal de Apelações do Sétimo Circuito sustentou especificamente que se a Campanha de Trump provasse seu caso, isso poderia anular a eleição como “fracassada” e ordenar a retirada da certificação dos delegados de Biden, exigindo que o parlamento de Wisconsin indicasse os delegados. No entanto, o Tribunal de Apelações do Sétimo Circuito afirmou a rejeição da contestação para a eleição de 3 de novembro de 2020 com base na doutrina de ‘laches’* – essencialmente dizendo que a Campanha de Trump deveria ter entrado com ação antes da eleição – embora o escopo dos votos ilegais de ausentes e os resultados de as eleições ainda eram desconhecidas e as mudanças na lei e na administração da eleição em violação da Constituição dos Estados Unidos aconteceram na véspera e no dia da eleição.

[*Doutrina de laches, do direito francês, significa ‘lentidão’, quando o réu que invoca a doutrina afirma que o reclamante demorou a fazer valer seus direitos e, por causa desse atraso, não tem mais o direito de propor uma ação equitativa. A parte que afirma laches tem o ônus de provar que são aplicáveis.]

 

A campanha  de Trump emitiu as seguintes declarações:

“Em Wisconsin, as proteções contra fraudes foram repetidamente reduzidas por burocratas não eleitos que mudaram as regras na véspera da eleição sem autoridade para fazê-lo. Estamos pedindo ao Tribunal que considere essas alterações de última hora inconstitucionais e conclua que elas tornam impossível determinar qual candidato recebeu mais votos válidos.

“Nada é mais importante para a nossa estrutura básica nacional e para o nosso futuro do que a integridade do nosso processo eleitoral. Este processo é um passo na direção de eleições mais justas, mais transparentes, mais profissionais e, em última análise, mais confiáveis ​​na América”.

– Bill Bock, advogado de registro de Donald J. Trump em ação judicial federal de Wisconsin

“O presidente Trump continua a lutar pelo povo americano e pela integridade eleitoral. Precisamos restaurar a integridade de nosso processo por meio de todos os mecanismos legais e constitucionalmente viáveis. A América viu a extensão da corrupção nesta eleição e está exigindo uma resolução rápida. Esperamos que as legislaturas estaduais em Wisconsin e nos outros cinco estados não esperem por uma ordem judicial, mas exerçam sua autoridade constitucional plenária e continuemos a apelar para elas, bem como buscar remédio judicial”.

– Rudy Giuliani e Jenna Ellis, advogados do presidente Trump

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários